CINE ECO 2013


PELO MENOS 7 RAZÕES PARA IR AO CINE ECO A SEIA
 
 
1) A EXCLUSIVIDADE: Começa no próximo sábado, 19 de Outubro (e vai até 26) nas
instalações da Casa Municipal de Cultura de Seia: no Cineteatro (equipado com uma
projeção digital e 3D) e no Auditório Municipal. Vai ser uma semana em cheio, com
cerca de 90 filmes (curtas-médias e longas-metragens), apresentadas no único festival
de cinema ambiental que se realiza em Portugal e um dos mais antigos do mundo. O
CineEco é um dos membros fundadores da plataforma Green Film Network, que integra
mais de 20 festivais de cinema de ambiente de todo o mundo. Por isso além dos filmes
inscritos, tem acesso aos melhores filmes ambientais das mais variadas origens.
 
2) A SIMPLICIDADE: Os filmes abordam temas simples e do quotidiano, que vão muito
para além do puro ativismo ambientalista e ecológico. A seleção de filmes foi pensada e
concebida no sentido de agradar e satisfazer os interesses do grande público e dos
espectadores infanto-juvenis. Estes últimos são talvez os que vivem cada vez mais
atentos e preocupados com os temas ambientalistas, da preservação do Planeta e das
espécies, que nele habitam. Por isso venha daí e traga a família, as crianças e os avós,
pois há filmes para todos os gostos e idades.
 
3) À BORLA: As sessões realizam-se todas na Casa Municipal da Cultura de Seia. As
entradas são gratuitas em todas as sessões de filmes ambientais (Competição
Internacional, Competição Lusófona, Sessões Especiais, Panorama Regional e Infantil).
À noite há ainda sessões comerciais de filmes já estreados, de alguma forma ligados
igualmente às temáticas ambientais e esses são a pagar. Os bilhetes custam apenas 4
euros, e 2 euros com cartão municipal.
 
4) OS FILMES: A Competição Internacional 2013, arranca no sábado dia 19, às 18h00,
com o filme ‘Planeta Oceano’ de Yann Arthus-Bertrand & Michael Pitiot (França), (a
dupla que concebeu ‘Home’) e encerra, com um excelente documentário intitulado,
‘Velocidade’, de Ivo Vinuesa (Espanha), sobre as alterações na paisagem provocadas
pelo projeto do TGV, na fronteira entre a Espanha e França, entretanto parado. A
competição Internacional, integra cerca de 11 longas e 20 curtas metragens, sobre

temas pertinentes do quotidiano: a preservação dos oceanos e das espécies animais,
como as abelhas, alimentação racional, contaminação das reservas de água potável,
efeitos radioativos, transformação da paisagem, regresso à agricultura de subsistência,
formas de vida alternativa, equilíbrio e desenvolvimento sustentável. No Panorama
Regional, uma aposta nos realizadores locais, estão ainda sete curtas-metragens, que
abordam questões ligadas à Serra da Estrela, como os fogos florestais, os mistérios e
sons dos rios, as tradições, as emoções e a aventura. Programa completo em:
www.cineecoseia.org
 
5) OS CONVIDADOS: O festival, não são apenas os filmes, é igualmente um espaço de
descoberta e de intercâmbio de ideias, sobre questões ambientais e sociais, prementes
ao nosso tempo. Pelo facto de pertencer à Green Film Network, vão estar presentes
além dos realizadores para apresentarem e comentarem os seus filmes, especialistas
de meio-ambiente, os diretores de outros festivais da rede de festivais ambientais, que
estarão à disposição do público, porque o ambiente assim o proporciona, para
conversas informais e tertúlias criativas e convívio aberto. Várias personalidades
portuguesas do teatro e do cinema como os atores Nuno Melo, Pedro Górgia ou Paula
Guedes, entre outros, também participam na “festa do cinema”.
 
6) OS AFECTOS: O CineEco é uma autêntica festa do cinema e da cidade de Seia,
uma das mais acolhedoras de Portugal, que fica na encosta da Serra da Estrela. Os
habitantes da cidade, mobilizam-se para a festa e acolhem os visitantes e os
festivaleiros, com muita simpatia e uma notável generosidade beirã e serrana. Para
além de uma série de eventos culturais, associaram-se ao festival, unidades hoteleiras,
restaurantes da cidade, bares e lojas que vendem os famosos queijo da serra, pão
regional, enchidos e vinho da região. Mas não vale abusar, porque não é muito
ecológico e faz subir o colesterol. Manter a saúde é também uma perspetiva
ambientalista. Depois para visitar há ainda os famosos Museu do Pão, Museu do
Brinquedo, Museu da Eletricidade, o CISE-Centro de Interpretação da Serra da Estrela
(indispensável para uma melhor leitura da Serra), a feira semanal à quarta-feira, ou o
Novo Mercado de Seia que se realiza mensalmente, desta vez dia 19, sábado.
 
7) A NATUREZA: É evidente que os organizadores querem as sessões de cinema com
muito público, mas o CineEco é também uma oportunidade turística para a região e
principalmente, para os festivaleiros, conhecerem melhor, o Parque Natural da Serra da
Estrela. A Serra sem neve é tão ou mais bonita do que com ela e está menos

‘engarrafada’ de trânsito, nesta altura do ano. Por isso de carro (a pé é puxado!), podem
subirem à Torre pela estrada da aldeia do Sabugueiro, visitar a pitoresca aldeia mais
alta de Portugal, verem as barragens e lagoas, os Cântaros e toda a enigmática serra
de paisagens imensas. Pelo meio, várias são as aldeias de montanha e seus encantos
e magias, dignas de filmes de rara beleza. No entanto, grande atrativo mesmo é, além
da prática de alguns desportos radicais, para os mais afoitos, as caminhadas a pé em
percursos marcados e organizados, e depois a descoberta mágica do circuito das tais
Aldeias de Montanha, onde cabem histórias e tradições rurais, os socalcos de Loriga e
de Alvoco, os soitos de Lapa dos Dinheiros, Sazes da Beira, medronheiros de Teixeira,
Valezim e Vide, além do Sabugueiro, que vale a pena visitar e disfrutar.
 
 
POR ISSO VENHA DAÍ, FESTEJAR O BOM CINEMA DE CONSCIÊNCIA
AMBIENTAL E NÃO SÓ…

Comentários